6 de out de 2015

Imagem selecionada para o XXIII Salão de Artes Plásticas de Mococa



Pela primeira vez resolvi investir em um dossiê mais elaborado e criei (finalmente) um
texto em defesa de meu trabalho. Funcionou, mas ainda carece de maturação:

"Rastros, vestígios
Luzes ocultas
Mundo invisível em busca
de revelação
Energia e matéria
num  eterno reciclar

Meu trabalho é fruto de muita pesquisa no campo da espiritualidade.
Utilizo uma vasta paleta de texturas, formas e cores para criar imagens etéricas, ricas em novas luminosidades. Procuro um ponto de contato com as realidades paralelas e criadoras de toda a nossa realidade. Há uma Energia cintilante envolvendo todo esse universo tridimensional. Energia que pode ser dirigida e manipulada, e que nos traz o verdadeiro sentido da Luz, do Tempo e do Espaço...
As Séries que apresento, congelam o movimento dessa Luz e estabelecem uma ligação entre intensidades e frequências, entre o abstrato e inimaginável."


28 de ago de 2015

EXPOSIÇÃO GALERIA BRIC A BRAC

Vernissage foi agora dia 26.08.2015 e envio algumas fotos do evento. Mais uma exposição em meu currículo. Apresentei duas obras em parceria com um amigo designer e que trabalha com impressão em acrílico. Ótima experiência!










18 de jun de 2015

CURIOSIDADES SOBRE O "PÉ GRANDE"

Trecho do livro: O Caminho para a Saúde de Seth / Jane Roberts
Gentilmente cedido pela Lu Lima, organizadora de um grupo de estudo, que faço parte, chamado Jardim Secreto.
Mais livros ou informações: http://espacocriando.blogspot.com.br/

Pé Grande e o Abominável Homem das Neves

" Há realmente dois tipos diferentes de mamíferos eretos, muito parecidos com sua espécie, mas muito maior, e com sentidos infinitamente mais apurados. Eles são realmente criaturas incrivelmente rápidas e apenas através do olfato eles ficam cientes da presença do homem quando qualquer membro de sua espécie está nos arredores imediatos - ficando, digamos, pelo menos a várias milhas de distância. A matéria vegetal é a dieta principal deles, embora muitas vezes implementada por insetos, que são considerados como uma iguaria. Eles, em relação a isso, desenvolveram armadilhas muito engenhosas para insetos, de maneira que centenas, ou mais, podem ser capturados, pois muitos são necessários já que insetos são tão pequenos. Estas armadilhas são muitas vezes construídas em árvores, nas cascas, de tal forma que a goma da própria árvore é usada para capturar os insetos. As armadilhas parecem ser parte da própria árvore, de modo a protegê-los.
Estas criaturas realmente têm memória, mas as lembranças deles operam muito rapidamente - um tipo de dedução quase instantânea, que vem como um sentido de informação interpretada. Ou seja, é recebida e interpretada quase de uma vez, ou simultaneamente.
A procriação não ocorre até que os indivíduos estejam bem além da idade que vocês considerariam normal para reprodução. No entanto, o procedimento é o mesmo. Com alguma variação territorial, tais criaturas residem em muitas áreas mundiais em seu planeta, embora a população geral deles seja muito pequena - no todo, algo em torno de, talvez, vários milhares.
Eles raramente se reúnem em grandes grupos, mas têm uma família e uma organização como que tribal, com no máximo doze adultos em qualquer área determinada. Quando filhos são adicionados, os grupos se quebram novamente, pois eles sabem bem que em grandes números eles seriam muito fáceis de serem descobertos.
Todos eles usam ferramentas de um tipo ou outro, e vivem de fato em concordância com os animais. Não há competição entre eles e os animais, por exemplo, e basicamente não são agressivos, embora possam ser extremamente perigosos se forem encurralados, ou se seus mais jovens forem atacados. Eles crescem bastante lentamente no inverno, em climas muito frios, e a temperatura deles cai, como é característico de animais que hibernam, exceto que a temperatura deles é mais sensível às variações diárias, então em alguns dias de inverno eles podem procurar muio bem por comida, embora, por outro lado, possam hibernar até mesmo por semanas a fio.
Eles tem uma profunda compreensão da natureza e dos fenômenos naturais. A linguagem não é desenvolvida a qualquer grau, pois o equipamento sensório deles é tão puro e rápido que quase torna-se uma linguagem própria, e não precisa de qualquer elaboração.
Estes sentidos possuem as próprias variações, de maneira que sem nenhuma palavra como "agora" ou "daí", as criaturas são capazes de saber bastante acuradamente quantas criaturas vivas estão nas vizinhanças, quanto tempo estivera ali - e a experiência deles com o tempo é uma que segue as estações de tal modo que eles formaram uma imagem sem palavras, uma figura fielmente acurada do mundo, incluindo uma direção navegacional. "


13 de mai de 2015

ILLUSTRATION

ILLUSTRATOR THOMAS LAMADIEU CONTINUES TO IMAGINE THE STRANGE INHABITANTS LIVING IN THE SKY BETWEEN  BUILDINGS
by Christopher Jobson / original post: www.thisiscolossal.com


French illustrator Thomas Lamadieu (previously) continues to travel the world to photograph vertical views of the spaces between buildings which he uses as a canvas for his comical illustrations. The gaps between roofs and gutters form the inspiration for different characters who inhabit the irregular patches of sky. To find the unusual vantage points Lamadieu visited Spain, South Korea, Germany, France, Canada and the United States in this last year. You can find more examples on his website









5 de mai de 2015

SKETCHES



Olá amigos, retornando aos poucos!
Estou em processo de criação e edição de meus trabalhos para começar inscrições em Salões de Arte pelo Brasil. Se tiverem um tempo, peço que entrem no site e vejam as novidades (Ricardo Alves).
 Estou construindo um estilo, estou respirando arte e tô muito feliz! Abraços blogueiros, estarei visitando a todos.


9 de abr de 2015

CASA DA XICLET - EXPOSIÇÃO

Participo com 2 trabalhos em um anexo para jovens artistas dentro da exposição MAR na inusitada galeria Casa da Xiclet, que é dirigida pela adorável Adriana Xiclet.


A Casa da Xiclet existe há 14 anos. Antes era uma casa bem pequena de
apenas um quarto e uma salinha, onde as pessoas visitavam a exposição
montada na sala e no quarto dela. Sempre teve um caráter de arte
contemporânea bem experimental e de jovens artistas. Depois mudou-se
para a casa atual, onde está há uns 10 anos. Ela faz exposições
regularmente e tem o apoio de muita gente e do jornalista e
colecionador Celso Fioravante. A renda da Casa vem da venda de obras
de arte, programas e contribuições de artistas em algumas exposições.
A Xiclet agora tem uma sensacional residência artística na sala
principal da casa. Reproduzindo o próprio percurso da galerista, os
hóspedes dormem em volta de obras e nas exposições o quarto fica
arrumado para as visitas. Lá o amor pela arte está muito acima dos
padrões convencionais. Sua programação frequentemente ironiza temas da
arte contemporânea e suas instituições, como as Bienais e Museus. Na
exposição atual MAR - Mostra de Arte Ruim, ela se refere ao novo Museu
de Arte do Rio (MAR) que tem repercutido um novo acervo de artistas
emergente e coletivos de arte.

artista e consultor de arte

fotos da exposição de Júlia e Dena 
 imagem da extrema direita: Eu e Ricardo Ramalho e ao fundo meus trabalhos expostos



30 de mar de 2015

CRAZY DIGITAL ART

Alguns dias atrás eu realizei uma competição (dentro do site Fine Art America) chamada: Crazy Digital Art. Vários artistas inscreveram-se e apresento os vencedores.

A few days ago I conducted a contest (within the site Fine Art America) called: Crazy Digital Art.
Various artists have signed up and I present the winners.



I. Julia Hamilton

Buba and Kiki

I Was Here

Dragon Fly

One Good Eye

Visit the artist: www.artbyjuliahamilton.com



II. Michael Durst

Entering A New Dimension

Bright Future

Metamorphosis

Eastern Harmony




17 de mar de 2015

OVER THE SEA

post original em 10.09.2013 no blog: http://penseforadacaixa.com/
e com parceria poética de: Dulce Morais




Over the lonely sea,
wings spread,
feeling at the distance.
Electrifying phenomena
under the cloudy sky;
a flight to sense.


11 de fev de 2015

LABYRINTHINE DRAWINGS OF INTERCONNECTED ROOMS BY MATHEW BORRETT

(original post: www.thisiscolossal.com)








For this spectacularly detailed series of architecturally influenced drawings, Toronto-based artist Mathew Borrett labored with 005 Pigma Micron pens to create networks of compartmentalized dwellings that appear to be carved into the face of a cliff or dug into the ground with isometric perfection. Titled Room Series, the drawings were created in 2003, and Borrett continues to explore imaginary landscapes that appear gently influenced by science fiction and fantasy. You can see more of his work in his website and he has prints available on Fine Art America. Borrett also has a self-published book spanning the last decade. (via Artist a Day)



23 de jan de 2015

ENSAIO: PINCELADA MUSICAL

meu primeiro ensaio e postagem para o blog parceiro http://penseforadacaixa.com/  em agosto de 2013



Beethoven e Arnold Schoenberg, cada um em sua respectiva época, passaram por momentos semelhantes: depois de iniciarem suas carreiras respeitando os modelos musicais vigentes, partiram para uma jornada de implosão e explosão. E trazendo novidades inquietantes.
As primeiras obras de Beethoven, podem ser facilmente confundidas com a de algum grande expoente do período clássico, a exemplo de Haydn e Mozart. É verdade que nelas já existiam pequenos detalhes que fariam do compositor um inovador. Mas são suas obras tardias, como a nona sinfonia, as sonatas para piano e principalmente os últimos quartetos para cordas, que avançam e saltam no tempo. Parece que ele ignora todo o nascente período romântico do século XIX e finca bandeira no começo do século XX , tamanha é sua alucinação visionária. É como se ele estivesse dando um “hello” a Schoenberg que ainda nem havia nascido na época de suas últimas obras. Beethoven não é clássico e nem romântico, é atemporal e soube levar a música tonal a seus limites. Com sua morte, ficamos a nos deslumbrar com os românticos Mahler, Brahms, Chopin entre tantos outros deste período.
Mas nasce Schoenberg. E como Beethoven, surge bem engajado em seu momento musical, o romantismo tardio. Momento este que já apresentava muitas “notas estranhas e discordantes”.
Para entender a quebradeira que Schoenberg propôs, recorro a uma visão e comparação: imagine que a escala de Mi Menor seja um reinado. O rei “Mi”costuma a todo segundo sair de seu castelo e visitar seu vasto império “Menor” mas mantém sua segurança sempre retornando ao castelo. Assim funciona o sistema tonal, por mais que o compositor enrole e crie tensões, sentimos que a música irá descansar em seu centro tonal. Já o mundo maduro de Schoenberg é diferente: não há reis, castelos ou impérios...apenas plebeus igualitários eternamente circulando por subúrbios, florestas escuras e tenebrosas. E sem retorno pois não houve uma partida! Nascia então o sistema atonal e dodecafônico.
É bonito, é gostoso de se ouvir? Alguém agüenta ouvir duas vezes Pierrot Lunaire, sua obra mais famosa? Minha resposta para todas é não! Todo o pensamento revolucionário de Schoenberg no começo do século XX é como uma masturbação mental, um porre. Mas está de acordo com as tribulações do mundo moderno e suas desilusões.
Os dois músicos marcaram a música erudita de tal forma que hoje em dia sobrou pouco espaço para inovações. Talvez a maior novidade de nosso tempo tenha sido a alquimia dos eruditos com as imagens encontradas no cinema.




20 de jan de 2015

ENSAIO INSPIRADO POR: MATRIX RELOADED

Não desejo filosofar sobre o filme e se você não assistiu, não tem problema.  Apenas peguei uma conversa entre a Oráculo e Neo, que ocorre numa praça, e desenvolvi o tema. Em certo momento ela diz algo assim: “existem programas criadores e que sustentam a Vida das árvores e de todas as coisas que estão aqui no planeta (Matrix).
E esta é uma maneira legal de compreender, por analogia, um pouco sobre a Vida.
Seguindo este raciocínio, tanto uma árvore, quanto uma zebra ou uma rocha são o resultado de programas criadores que não estão aqui em nosso mundo visível e atômico. E para estarem, tais programas criam então novos softwares, novos programas que possuem um pouco da essência original do programa criador e que são mais adaptados ao nosso ambiente.
Com isso, os programas criadores lançam no planeta uma enxurrada de softwares muito similares, como por exemplo, todas as zebras que aqui habitam. A todo momento, o programa original é alimentado com dados de cada um da espécie. Quando uma zebra morre, finalmente o programa criador computa as informações obtidas daquela criação específica e no nascimento de outra zebra, o software é atualizado em termos que chamamos de Evolução! Os softwares que estão no reino animal são mais rápidos em resposta do que os que pertencem ao reino vegetal e mineral e por isso podemos observar com maior nitidez os avanços deste reino. Cachorros domesticados (por exemplo) estão em profunda mudança em sua essência e plataforma, pois estão em contato direto com algo diferente: o ser humano.
E somos diferentes porque o programa criador e o programa criado (nosso corpo físico) estão em foco consciente aqui mesmo no mundo atômico. Esotericamente, chamamos isso de: o despertar da consciência. Não há necessidade de enviar dados para lugar invisível algum, podemos acessar a Fonte Criadora imediatamente para tudo o que desejamos criar ou experimentar. É como se somente em nós houvesse a fusão do criador com a criatura.
Mas uma coisa é certa: a despeito de toda essa analogia, poucos de nós, as “criaturas criadas”, lembram-se dessa conexão e poder. Você pode (sem depender de eventos ou circunstâncias) criar seu próprio universo de programas através de seus pensamentos-sentimentos. E alimentá-los com sua essência criadora para que também ganhem Vida em sua experiência diária.
Fale mais com o programa criador, pois você é Ele. Procure o bem-estar, procure a facilidade que você mesmo desejou um dia antes de se fundir com a criatura. Como dito no post anterior, alinhe-se com a Fonte de Energia que você É.



19 de jan de 2015

PENSAMENTO E IMAGEM


Olá amigos! Estou retornando aos poucos e desejo a todos um ano cheio de milagres e permissões.

"Quando você está sentindo o desconforto por ver outras pessoas numa situação de escassez, ou de necessidade, e decide ajudá-las a partir de seu estado de desconforto, nenhum valor duradouro ocorre, por duas razões importantes: primeiro, você não está em alinhamento com a Energia de sua Fonte e, assim, você não tem nenhum valor real a dar; e, segundo, sua atenção à necessidade delas apenas amplia a necessidade delas.
É claro, é maravilhoso ajudar os outros, mas você tem que fazer isso a partir de sua posição de força e alinhamento, o que significa que você tem que estar em alinhamento com o sucesso delas quando você oferece assistência, e não em alinhamento com o problema delas.
Quando sua consciência a respeito da situação delas lhe faz se sentir desconfortável e você oferece ajuda para que elas se sintam melhores e para você mesmo se sentir melhor, você não está no Vórtice e não está ajudando. Quando você sente uma avidez inspirada para oferecer algo porque você quer participar da felicidade delas, do processo bem sucedido, sua atenção ao sucesso delas se harmoniza com o ponto de vista da Fonte; e os recursos infinitos do Universo estão à sua disposição. E isso ajuda."
Abraham